Ítens indispensáveis a um bom Churrasco

CHURRASQUEIRA

As churrasqueiras tipo ”Parrilla”, são comuns no sul do Rio Grande, e padrão no Uruguai e Argentina de onde foram importadas. Utilizam grandes grelhas inclináveis, e o fogo de lenha é feito ao lado ou no fundo, puxando-se a brasa para debaixo do assado. O fogo da lenha puxa a fumaça, evitando interferências no gosto do assado.

A principal vantagem da carne assada dessa maneira, é não ter a fumaça gerada pelo pingar da graxa nas brasas. O sabor é outro!

TÁBOA é o lugar em que se prepara, corta e se serve a carne. Bom tamanho, madeira de lei e sempre muito bem lavada. Nada de tabuinhas de fórmica ou de plástico, que devem permanecer na cozinha. Um pedaço de uns 50/60 cm de uma táboa de polegada, madeira de lei, bem lixada é uma ótima pedida.As FACAS são as principais coadjuvantes de um assador, ou churrasqueiro, como é conhecido fora dos Pampas.  Um churrasqueiro que se preze tem de ter no mínimo uma boa faca, sempre afiada, muito afiada para se trabalhar um churrasco inteiro sem passar vergonha. A questão da melhor faca é um pouco pessoal, aço doce, aço de “Solingen”, cabo de madeira, cabo de plástico branco, cada churrasqueiro tem a sua predileção. Tem de ter boa empunhadura, “lombo” que começa grosso e vai afinando (faca forjada), pois a maioria das facas de estamparia não são grande coisa.
Uma faca média para uso geral deve ter entre 35 a 45 cm, mas é importante ter uma faca menor para limpeza e picação de temperos e uma grande, para grandes churrascos. Para guardar a faca manda-se fazer uma bainha de couro, que além de protegê-la, permite ainda o transporte com segurança.  É fundamental explicar para quem comanda a cozinha que a faca do churrasqueiro dá azar quando utilizada fora do churrasco!!! Uma boa Pedra de Afiar e umaChaíra decente para ”sentar” o fio das facas são imprescindíveis.

CESTA BÁSICA é usada para guardar e organizar os apetrechos do churrasqueiro evitando que se misturem com as coisas da casa. Eis o elenco principal de uma cesta básica:
  Abridor multiuso, Pano de Mão, Avental, Caixa de Fósforos (sempre some) e Álcool. Facas, Chaira e Pedra de Afiar, Garfão ou Pegador tipo pinça. Pote com Farinha de Mandioca, Vidro com Sal Grosso e outro com Sal Fino, Pimenta da Boa e Temperos do agrado de cada vivente

Curiosidades

Não é novidade que em matéria de churrasco nossos “irmanos” argentinos são experts, seguidos muito de perto pelos uruguaios e gaúchos. Pode-se atribuir à isso algumas vantagens naturais como o clima, solo e a topografia dos Pampas. O clima ameno permitiu a introdução e seleção de raças européias cuja carne “marmorizada” (aspecto resultante da gordura intramuscular) apresenta maior maciez e sabor. Ao mesmo tempo a topografia plana exige do animal pouco esforço físico, já que em busca de pasto não precisará subir e descer morros, levando ao enrijecimento de sua musculatura. Além de planos, os Pampas apresentam um solo extremamente rico em sais minerais, permitindo o desenvolvimento de uma pastagem natural de excepcional qualidade e aceitação por parte dos eqüinos, bovinos e ovinos.

Por todos estes fatores, tradicionalmente, a região dos Pampas sempre exerceu uma vocação voltada para a pecuária e, consequentemente, criou uma cultura em torno de seus produtos. Foi desta maneira que a Argentina alcançou grande desenvolvimento econômico no início do século, transformando-se em grande exportadora de carne para os países da Europa e EUA.

É natural que a terra da carne se transformasse na terra do churrasco, não só pela qualidade de seu rebanho, fruto de suas condições naturais, mas também pelo aprimoramento de suas técnicas desde o abate até o assado. Neste contexto a técnica de assar é fundamental, sendo isto que procuramos incorporar na PARRILLA S.A., para que o churrasqueiro disponha da melhor ferramenta para obter o melhor resultado final, e consequentemente sua satisfação e a de seus amigos!

Dica para acender o fogo

Para iniciar o fogo a maioria das criaturas usa álcool, não é complicado mas nem sempre está a mão e se não tomar cuidado a explosão inicial pode se perigosa. Nunca jogue álcool em fogo já iniciado.
Dá para iniciar também enrolando jornal em uma garrafa para fazer uma espécie de chaminé, coloca-se o carvão em volta, tira-se a garrafa e joga-se um tirinha de papel acesa dentro do tubo.
Depois de muitos métodos acredito que o melhor seja este:
Pegue um pedaço de papel higiênico (sempre se acha), ou guardanapo de papel, faça uma ‘tacinha!’ usando dois dedos, faça uma cavidade na pilha de carvão, e ajeite o papel, encha com óleo de cozinha usado (pode ser novo, mas é desperdício) e acenda.
O fogo vai pegar no óleo e escorrer para dentro do carvão, fazendo um fogo limpo, consistente e garantido